Caminhos do Amor

Caminhos do Amor

Silvia Bruno Securato (texto extraído da antologia Caminhos do Amor)

Caminhos percorridos em paisagens diversas, mescladas das mais fortes e variadas emoções, fotografadas como foco ocular, guardadas no cofre seguro do peito: o coração. E é de lá mesmo, do coração, que busquei os caminhos para seguir, levar, encontrar, guardar os meus amores, nas diversas formas de amar.

No ventre de minha mãe, pude saborear o carinho materno e paterno. Aqueles que me ensinaram o que é o amor, nos cuidados, gestos, palavras, exemplos, testemunhos…

Nos caminhos da família, dos amiguinhos, fui crescendo, experimentando mais e mais sentimentos derivados do Amor.

A descoberta do amor paixão vivida, sentia, saboreada!

Os caminhos ora eram cercados pela beleza harmoniosa das cores das flores e dos pássaros, ora eram formados por uma imensa escadaria, ora eram curvos e desertos, ora cobertos de folhas secas, ora um imenso tapete de pétalas de rosas.

Mas, ladeando todos esses caminhos, sempre houve uma ponte gigantesca, seguindo para as nuvens, que me levava e leva a Deus, o Amor em pessoa.

Cada caminho poderia ser comparado a uma alameda: Alameda Divina, Alameda Família, Alameda Paixão, Alameda Amizade, Alameda Vocação, Alameda Caridade, Alameda Canina…

Seja qual for, a alameda, aprendi a procurar por ela, caminhar sem pressa, passo a passo, com o olhar atento em cada sentimento ou expressão. Aprendi a procurar olhar as pessoas interiormente, de dentro para fora; o que nem sempre é possível! Eu sei. Muitas vezes, nos perdemos em fatos ou situações, mas somos assim!

De Deus, aprendi que: para amar como Ele ama, não basta não fazer aos outros o que não gostaríamos que fizessem a nós… Vai muito além! Amar como deus nos ama é amar com o amor que o outro precisa ser amado! Para isso é necessário estar atento e despojado de si memo. Perceber o outro é compreendê-lo, não economizar perdão, aceita-lo como é. É difícil? É… e muito! É, por isso, que o amor é divino!

Observar e saborear, diariamente, cada alameda é sábio, pois muitos caminhos não têm volta, outros têm retorno, mais adiante, embora com paisagens, cores e perfumes diferentes.

Seja qual for o nosso caminho, que eles estejam rodeados pelos anjos da paz, a nos conduzir e guiar à aguas refrescantes que aliviam nossas dores, às areias fofas e quentes, para abraçar nosso ser; ao contato com a natureza, para nos aceitar como somos; às brisas suaves, para nos encorajarmos; á luz do sol, para que estejamos com o coração sempre aberto, para acolher todas as bênçãos que, diariamente, recebemos.

Siga os Caminhos do Amor em Paz!

Deixe o seu comentário