O amor está no ar

O AMOR ESTÁ NO AR 

Silvia Bruno Securato (extraído do livro Meu Bem Querer)

Lembra-se daquela noite de oito de outubro?

A música Dancing Queen, que embalava os animados dançarinos, deu o tom à alegria mútua de, finalmente, nos conhecermos pessoalmente.

Através dos seus e mails cordiais, com boa dose de formalidade – bem como muito divertidos – eu já podia imaginar como seria você. De fato, você é como eu o imaginava.

Pareceu cena de filme. Estávamos de costas, um para o outro, até que a Margarete – nossa amiga em comum – veio me avisar que você havia chegado, apontando em sua direção. Que expectativa! Eu me virei e, atravessando o salão, lentamente, fui ao seu encontro. Aqueles minutos me pareceram horas! Na verdade, eu queria correr! Todavia, confesso que não foi fácil atravessar aquela multidão. Meu coração batia forte, no ritmo da música.

Já bem próxima, permaneci, por alguns segundos, parada e, depois de respirar fundo, toquei seu ombro. Você se virou, me apresentei, sorrimos nos abraçamos como dois amigos que não se viam há tempos. De mãos dadas, nos olhamos, enquanto um calor enorme tomava conta de mim. O brilho em seus olhos revelou-me que o mesmo acontecia com você. Permanecemos assim, por um bom tempo… e foi tão bom! Naquele instante, parecia que nada mais existia, ninguém nos rodeava: o único som vinha dos nossos corações, que batiam felizes.

Foi um momento único! Surpreendi-me! Emoção como aquela, eu nunca havia experimentado antes. O que estaria acontecendo? Minhas pernas bambearam, minha garganta secou, minhas mãos suavam, retribuindo o suor das suas. Ficamos enfeitiçados um pelo outro. Não era preciso dizer… já estava sendo dito no fascínio daqueles silenciosos minutos. Depois, me beijou a testa e a palma da minha mão, num gesto terno, suave, delicado.

A música voltou aos meus ouvidos. Tocava I Found Someone para completar a magia do nosso encontro. Enrubesci… fiquei sem jeito. Você me tomou nos braços; dançamos a dança que selaria o encontro de almas e, ao final dela, um longo beijo, já muito apaixonado, marcando o encontro de corpos.

Você se lembra?

Deixe o seu comentário