Um novo amanhecer

UM NOVO AMANHECER

(extraído do livro Nós, Mulheres Desafios e Conquistas dos Novos Tempos vol.05 –Silvia Bruno Securato)

Cada amanhecer traz consigo uma beleza mágica , que nos emociona, e nos leva a refletir na perfeição e na magnitude da natureza.

Ao som das ondas , que calma e deliciosamente chegavam à praia, quase nos meus pés, tive o privilegio de ver um novo dia amanhecer, na varanda , em frente ao mar. Sentir o frescor da brisa, acompanhar a majestade do sol que se impunha às pequenas luzes elétricas espalhadas ao longo da orla, até que todas se apagassem, rendendo-se à soberania desse rei é , de fato , uma regalia! A rua , que estava deserta, começava a ficar movimentada, pelas pessoas que se dirigiam aos seu trabalhos; os primeiros atletas surgiam e a jornada de um novo dia recomeçava.

Conforme eu havia observado anteriormente, a maré, ora recuava, ora avançava, formando na vinda , um grande tapete rendado. Aos pouquinhos, as águas, que tomavam toda a praia , iam recuando, deixando espaço para os guarda-sóis e cadeiras , que os “barraqueiros” , ordenadamente , iam colocando, para mais um dia de lazer e diversão.

Não pude resistir. Peguei o computador para registrar a variedade de sentimentos e pensamentos que aqueles minutos me proporcionaram. Novo dia é Vida!

Vida em movimento, trazendo coisas novas.

Pensei: Como o mar é mutável ! Às vezes, parece tão calmo e outras, tão violento. Veio à lembrança, alguns dias passados quando, numa grande revolta, a força das ondas destruiu grande parte dos quiosques, que ficam na areia, beirando a calçada, na praia vizinha. Foi preciso reparar e, em muitos casos, reconstruir tudo outra vez! Fazer de novo.

Fazer de novo!

Estamos vivendo o período de fazer de novo. Rever e adequar alguns modelos que , durante décadas, e, até mesmo , anos e anos permaneceram imutáveis, entre eles: o que é ser mulher?

Mais especificamente: o que é ser mulher hoje?

Há poucos dias, conversando com uma amiga, comentei:- Ainda é cedo par minha nora pensar em engravidar…ela é muito nova!

O que eu havia acabado de dizer, imediatamente, me surpreendeu! Ora, eu, na idade dela, já estava na minha terceira gravidez! Como os valores, as prioridades, as necessidades das mulheres , mudaram! E tão rápido!

Sabemos que , para   que acontecesse essa mudança, foi preciso um estrondo, uma bomba, uma revolta das ondas do mar. Quando uma situação se torna insustentável, acaba explodindo; porém, as fagulhas sempre se espalham, deixando as marcas da explosão.

A mulher tem que se atleta para poder conciliar a multiplicidade de tarefas. Muito se ganhou, mas muito ainda deve ser revisto e adequado para chegamos a um consenso saudável. O período atual é um verdadeiro stress, como o mar revolto!

Percebo a grande necessidade que temos de falar, trocar idéias, experiências; não importando a classe social, a raça ou a crença.

Li um artigo, muito interessante, no estadão! Nele , os médicos dizem que as mulheres têm necessidade de conversar sobre seus problemas e, no final, os médicos acabam se tornando seus confidentes. Entre as queixas mais constantes, citam a falta de cooperação, por parte dos homens, na divisão de tarefas domesticas. Muitas chegam tarde em casa, após um dia de trabalho, e iniciam a segunda jornada: cuidar da casa e filhos. Essa questão acaba acarretando a diminuição da libido, que vem a ser outra grande queixa, por parte delas. Outra questão está no desejo de construir uma família, porém, em contra partida , o crescimento e estabilidade profissional estão em primeiro plano nas prioridades da mulher moderna.

Lamentavelmente, os médicos entrevistados para essa matéria constataram que apenas 10% das mulheres que frequentam seus consultórios estão satisfeitas no que diz respeito ao relacionamento a dois.

Nesse artigo, podemos observar que a questão é essa: um fator desencadeia outro!

O casamento também precisa ser revisto. Uma ocasião, uma criança de 11 anos comentou que quem cuidava dela , naquele momento, era a avó, pois sua mãe estava doente, com depressão. Com ela, morava a irmã mais velha, do primeiro casamento da mãe: o pai estava com sua nova mulher, que estava esperando um bebê. Essa criança, já com ares de adulta, não sabia onde iria morar no dia seguinte; e disse – A vida muda sempre! Ela não sabe o que acontecerá, com quem ficará, nem se a mãe vai casar de novo e mudar de casa outra vez, ou qual novidade irá surgir.

Outra questão está na educação que , de maneira geral, está falindo! Não existe respeito; as pessoas estão cada vez mais egoístas, mais voltadas para si mesmas, a ponto de ser preciso inventar caixas preferenciais na agências bancárias e nos mercados , por exemplo, para atende gestantes, idosos, etc, a fim de que eles não sejam ignorados.

Os adolescentes estão aderindo, cada vez mais cedo, à bebida, ao fumo, aos jogos e às drogas. Os pais, por não saberem como lidar com essas questões, omitem-se: fingem que não vêem!  Muitos atribuem essa responsabilidade às escolas; porém, são os que mais faltam às reuniões de pais e em nada contribuem na parceria educacional pais e educadores.

Está na hora de recuar – como a maré – deixar espaço ao que é plausível , coerente e saudável, como resgatar valores e padrões  deixados para trás, o que tanto bem às famílias e à sociedade.

Para a mulher, em especial, vejo que a grande problemática, hoje, está no remanejamento e na construção de uma família ter filhos, quem cuidará deles etc.

No aspecto familiar, a colaboração do homem é fundamental.

Uma vez que a mulher está contribuindo com a renda familiar, nada mais justo ela contar, em contrapartida, com a contribuição masculina nas tarefas antes reservadas somente às mulheres.

O sucesso da Coleção Nós Mulheres, que aborda questões de relevante importância às mulheres, se deve à troca de informações vitais para a mulher atual. Tive a alegria de saber que mudanças e indicações para um rumo acontecem na vida, não somente de algumas coautoras, mas também das leitoras. Uma vez que , Nós,  Mulheres, estamos tão atarefadas, a ponto do numero de horas, em um dia, ser menor do que o número de tarefas que devemos executar, encontrei na obra Nós , Mulheres a solução para o dialogo entre mulheres , considerando também importante aos homens, para que conheçam o novo modelo feminino: como sente, pensa e reage o sexo frágil, em seu novo amanhecer.

Que nossa partilha, criatividade e intuição feminina sejam a grande luz a apagar as pequenas luzinhas , fruto dos resquícios deixados na primeira explosão! Entre esses resquícios, está a maneira como vemos e educamos nossos filhos. Muitas de nós, mulheres, trazem consigo teorias e heranças patriarcais, que não condizem com as mudanças e conquistas já operadas dede o século passado.

Queremos seguir nossa jornada, seguindo as estradas que nos levam a um recomeço, onde vozes sejam ouvidas. Queremos consenso, igualdade, respeito e reconhecimento, para caminhar lado a lado com os homens.

Deixe o seu comentário