Um Tempo para Nós Mesmas

Um Tempo para Nós Mesmas

Silvia Bruno Securato  (extraído do Livro Nós, Mulheres Desafios e Conquistas dos Novos Tempos vol.02)

Nos envolvemos na rotina , nem sempre planejada ou prevista e nossa vida se torna uma correria mecânica e , às vezes entediante. É hora de rever, de organizar e transformar! Mas, isso acontece quando reservamos um tempo para nós  mesmas.

Como é bom estar em harmonia consigo mesma e, para isso, porque não separar, a cada dia, um tempo para você mesma? Ter um tempo para nós mesmas nada mais é do que reservar um espaço diário para realizar aquilo que nos preenche, nos dá prazer, nos edifica, nos traz algum tipo de alegria e bem – estar. É uma mistura de pequenas atitudes e tarefas de longo prazo. É lembrar de si mesma, agradar, cuidar e observar a si mesma.

Começar repensando , com calma e enumerando passo a passo tudo o que você é , tudo o que alcançou, tudo que possui, nos sonhos realizados, vitórias conquistadas. Quantas coisas boas já transcorreram em sua vida! Porém, como é natural, há muitos desejos que ainda estão por realizar. Eles são inesgotáveis! Afinal, são fonte de vida!

Talvez, depois dessa reflexão você diga: “ De fato , não posso me queixar! Minha vida tem sido ótima!” Parabéns! Você é privilegiada, pois a maioria não se sente assim. Talvez porque não esteja notando que o tempo corre e medidas sérias precisam ser tomadas, ou porque o pessimismo seja o fantasma que esconde as coisas boas que aconteceram, ou ainda, porque foram tantas as mágoas e tristezas que tornam obscuras qualquer visão positiva.

Envolvemo-nos na rotina  nem sempre panejada ou prevista e nossa vida se torna correria mecânica e às vezes , entediante. É hora de rever , de organizar e transformar! Mas isso acontece quando reservamos um tempo para nós mesmas. Proponho um balanço , analisando tudo o que foi bom e tudo o que foi ruim. As coisas boas devem ser cuidadas e preservadas. As ruins deem ser transformadas. Mas de que maneira? Nesse balanço você vai se enxergar e se questionar. Analise suas ações e reações. O que vê? Medo, insegurança, tristeza, desânimo, mesmice? O eu lhe falta? Em primeiro lugar, falta sair das águas mornas e, observando a sua realidade, começar a ser verdadeira consigo mesma e com os outros.

Será que tudo o que acontece de negativo está em você ou também vem dos outros ou do outro? Será que você está perdendo sua identidade, engolindo uma serie de situações e acabou entrando em conflito consigo mesma?

Muitas vezes sem perceber criamos deuses à nossa volta: vivemos em função de cultua-los, pois os colocamos num pedestal, nos prostramos e humildemente nos tornarmos sombra desses deuses. Abafamos nossa identidade e vivemos em função do outro – o nosso deus!

Outras vezes, somos sombra de estereótipos masculinos com quem convivemos: o bravo, o nervoso, o doente. Quando isso acontece, nossa atitude costuma ser de lamúrias, de reclamações repetitivas que vão gerando um certo ranço. Com isso achamos que estamos nos defendendo , mas não,. Estamos é disfarçando e dando uma situação que os incomoda e machuca, por distração ou comodismo ou por não querer ver, porque ver implica em reagir, acordar e tomar uma atitude.

Pode ser também que você caia no oposto e se considere uma verdadeira heroína, transmitindo essa imagem aos outros. Você é aquela que tudo suporta, é resignada, é forte, tudo resolve, não admitindo, nem a si mesma, que algo poderá lhe faltar ou abalar. Com isso torna-se a presa de um papel criado por você mesma e que a faz sofrer muito. Todo ser humano tem necessidades, desejos, carências, vontades, enfim uma série de emoções se entrelaçam e devem ser sinceras. Não é vergonha ter carências, sentir medos. É natural e faz parte da natureza de todos.

Ser verdadeira com você mesma, não fingir sentimentos que não existem, só para agradar ao outro, não ter que avaliar, dialogar e encontrar a solução ideal. Não hesite em dizer o que sente, o que precisa, o que a faz feliz.

Mudanças não significam guerras, gritarias, brigas. Basta tomar consciência e, respeitando seus limites, ir transformando as situações conflitantes que estão no seu interior e ao eu redor. Basta observar, analisar, assumir as falhas, os erros e querer mudar.

Olhe-se no espelho, observe-se por inteiro: seu rosto, seu semblante, seus cabelos, seu corpo, sua postura. Como é importante estar bem consigo mesma, valorizar os pontos “fortes” e aceitar os que não gosta.

Olhe-se internamente. Feche os olhos e veja suas emoções e sentimentos. Como tem lidado com essa parte de você? E os seus sonhos? Os já realizados e os que estão por acontecer.

Olhe sua lama. Ela está em harmonia com o seu corpo físico e sua emoção? Seja qual for a sua crença, é importante alimentá-la e cultivá-la, lembre-se que alguns cientistas acreditam que aqueles que editam e/ou oram vivem melhor, são curados mais rapidamente e possuem paz interior.

De qualquer forma, é preciso dar um tempo a nós mesmas e cuidar para que haja harmonia em todo nosso ser. Notar detalhes preciosos que passam despercebidos. Por exemplo: Você já parou para observar suas mãos? Quantas coisas elas fazem! Como são importantes! Sua mente? Quanta criatividade! Suas qualidades, tudo o que há de belo em você. E, ainda mais. Suas amigas, as boas risadas, as situações engraçadas, as preciosas coisas simples que a vida nos proporciona.

Pode ser que você esteja tão ocupada com os “outros” que acabou deixando-se para depois e o tempo foi passando. Porém, aqui não cabe a frase: “é tarde demais para mim”. Ou “não estou na idade de fazer isso ou aquilo”. Sempre está em tempo de grandes realizações. Acredite!

Pare para pensar no que você quer e precisa reorganizar. Talvez aqueles exercícios, uma caminhada que há tempo foi se arrastando para o momento oportuno. Cuidados com a saúde, com a beleza, um novo visual, um curso, uma atividade prazerosa, um tempo para o lazer, para melhorar a cultura, a espiritualidade, o relacionamento familiar e social.

Talvez, seu momento seja tão delicado. Talvez esteja passando por dificuldades que a pegaram de surpresa. Perda de um ente querido, perda de um relacionamento, alguma pessoa doente na família que necessite de sua ajuda, sua situação financeira mudou ou tantas outras coisas. Agora, mais do que nunca é importante buscar esse tempo para estar com você mesma e, com criatividade, elaborar uma rotina nova: seja espiritual, seja física ou emocional. Ou, ainda quem sabe, tudo ao mesmo tempo. Os amigos ou profissionais de cada área poderão lhe dar o apoio inicial, mas a ação deve partir de você. O importante é reagir e não perder a esperança! É passar para uma nova etapa sem rancores, de coração aberto para o recomeço.

A força de vontade gera garra. Da garra vem a perseverança que faz com que o cenário em sua volta se transforme. Não hesite em recomeçar sempre que necessário. Muitas vezes é dolorido, mas já reparou o quanto crescemos na dor! Esteja atenta em perceber as portas que se abrem e os dias irão passando e você irá construindo uma nova etapa, conquistando novos espaços, realizando suas metas, colhendo seus frutos. Há dias em que aprece que nada acontece, como se fosse uma nuvem a nos encobrir, mas lembre-se é só uma nuvem, ela vai embora e o sol torna a brilhar. O tempo continuará passando, as dores tendem a diminuir, as feridas vão cicatrizando quando tratadas com cuidados, já se encontra forças para perdoar, os novos desafios tornam-se mais suaves, uma vez que se está atenta e em luta para vencê-los.

O tempo transcorrerá e com ele a maturidade mais sólida a acompanhará, pois você se programou, aprimorou seu talentos, descobriu outros tantos, encarou de frente seus fantasmas, enfim, cresceu em sabedoria.

Aprendeu que um diálogo aberto e franco é poderoso e as discussões, as represálias, atitudes vingativas, não levam a nada, somente geram mais desavenças. A verdade e a sinceridade aplainam os caminhos a serem percorridos. Você sabe entender melhor a expectativas dos que a rodeiam, pois a paz interior nos revela coisas incríveis! Sabe contar com você mesma e não mais esperar que os outros façam alguma coisa, conquistou seu espaço, seus ideais. Aprendeu a rir de você mesma!

Esse é o sabor da vitória, da sua vitória!

Um Viva às mulheres que aprenderam a arte de ser feliz.

Deixe o seu comentário