Vera Melo

Aquele foi o momento bastante difícil: descobrir que estamos com câncer equivale a cair das nuvens e, de repente , ter de pisar no chão duro e desagradável ao toque. Para mim não foi diferente, pois sempre fui uma dessas pessoas otimistas, que tem certeza de que nada de ruim vai acontecer. Naquele dia foi diferente…

Foram muitas lágrimas a ponto de, no dia seguinte , eu olhar para o espelho e não me reconhecer. Mas o meu Anjo da Guarda nunca dorme profundamente. Levantei, fiz o que foi possível com a maquiagem e voltei para a “ passarela”, ou seja, fui trabalhar e tratar dos procedimentos para eliminar aquele intruso de meu corpo. Durante minha recuperação recebi a solidariedade de todos os amigos e amigas e, entre tantos, da Silvia Securato, que me apresentou um desfio novo: escrever…Aceitei e aqui estamos. Quase vinte textos depois, ainda fico espantada em perceber como isso me ajudou a passar por cinco anos de doloroso tratamento, e hoje só tenho que agradecer por ter atravessado a tempestade com mais coragem, por tanta gente interessante que entrou na minha vida e, finalmente, por aprender a exteriorizar sentimentos guardados.
Muito obrigada, minha amiga!